segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A primeira descoberta!

Por Luceth Chouzal

A primeira vez que pisei em Portugal eu tinha 15 anos e foi em uma viagem de férias escolares para conhecer a família portuguesa.

Não tinha muita ideia de como era o país a não ser pelo que minha mãe, tios e avós - todos portugueses que migraram para o Brasil ainda bem novinhos - contavam.


A religiosidade, as tradições musicais (chamadas cantigas portuguesas), a fartura da comida, a rigidez na educação e a dedicação ao trabalho e luta do dia a dia eram as marcas que faziam parte da minha vida.


Eu achava que ia encontrar um país muito atrasado, sem lugares para se divertir, pessoas mal humoradas, poucas belezas naturais, já que o país era muito falado aqui no Brasil como "a cozinha da Europa", entre diversos outros preconceitos passados de boca a boca por muitos brasileiros.


Isso sem contar as referências feitas aos próprios portugueses, vistos como grosseiros, mal humorados e por aí vai...

O fato é: me surpreendi completamente! Desde o primeiro momento, tanto eu como minha família adoramos Portugal! País organizado, limpo, receptivo, seguro e com baixos índices de violência, com monumentos e belezas naturais encantadores, praias belíssimas, povo acolhedor e simpático e que ficavam muito felizes quando descobriam que éramos brasileiros! Arrumavam a melhor mesa no restaurante, escolhiam o doce mais bonito da vitrine para vender, batiam papo e perguntavam sobre o Brasil, enfim, faziam com que nos sentíssemos em casa!


E isso permanece até hoje! Já voltei em Portugal outras vezes... além da proximidade da mesma língua, o que é um grande ponto a favor para quem visita a Europa, o país desenvolveu muito as suas indústrias e as suas tecnologias e, especialmente, o turismo, que se tornou o setor econônomico mais ativo e procurado, quer por visitantes, quer por investidores.


Por essa e muitas outras razões digo: tal como os muçulmanos devem ir a Meca, seria ótimo que os brasileiros pudessem visitar o nosso país-irmão pelo menos uma vez na vida, mais que não fosse somente porque dali partiu Pedro Alvares Cabral – o descobridor do Brasil!